Arte e tecnologia: como as redes sociais ajudam na divulgação e criação de hits

Na era da cibercultura a arte tem encontrado um cenário complemente diferente de anos atrás: novos meios de produção, divulgação e até de reprodução deram espaço, como já comentamos aqui, a artistas pouco conhecidos. Grande parte da “culpa” deste processo de disseminação de novos hits, que nascem do dia pra noite, literalmente, é das redes sociais. Um link, uma vez visualizado, dez vezes compartilhado, 100 vezes comentado. É um caminho sem volta. De que forma os artistas se apropriam disso?

“Houve um tempo em que a lógica era outra. O cara criava uma banda e pensava em ter oportunidade em uma grande gravadora. Poucos conseguiam. A internet mudou tudo e nunca mais teremos outro Michael Jackson”. A frase do músico Felipe Machado, da banda de Ska Peixoto & Maxado, em entrevista a Rádio EBC Nacional, mostra as mudanças que cantores e bandas têm enfrentado tanto na criação como na divulgação do trabalho. “Primeiro foi o Orkut, onde fazíamos enquetes para recebermos sugestões de títulos de músicas. Agora usamos Twitter, Facebook e outros caminhos como o Sound Cloud”, disse.

snoop-lion-google-soundcloud

#ParaCegoVer Imagem do perfil do Snoop Dogg no SoundCloud, com o player tocando The Good Good

Uma das plataformas maios utilizadas na atualidades por artistas independentes é o Sound Cloud, rede social criada para aproximar músicos e fãs e que também ajuda na fase de criação. Já existem músicas “colaborativas”, onde cada parte é feita por pessoas que muita das vezes, nem se conhecem pessoalmente. O autor André Lemos adiantou isso: “A arte na era eletrônica vai abusar da interatividade, das possibilidades hipertextuais, das colagens (sampling) de informações, dos processos fractais e complexos, da não-linearidade do discurso… A ideia de rede, aliada à possibilidade de recombinações sucessivas de informações e a uma comunicação interativa, torna-se o motor principal da ciberarte.” (LEMOS, 2010, p. 178).

Mas como fazer uma banda se tornar lucrativa só com a internet? Qualquer banda ou cantor, do independente que está começando ao mais famoso, precisa das redes sociais para a divulgação de seu trabalho. Esse é também um dos melhores caminhos para manter um contato próximo com seus fãs e divulgar novidades. Porém, é necessário saber fazer um bom uso das redes sociais para não acabar prejudicando seu trabalho. Um mal gerenciamento de conteúdo pode mais atrapalhar do que ajudar na divulgação de uma nova música, por exemplo.

Tá com uma banda nova? Pra te ajudar, vamos dar três dicas de como dar aquele up nas redes sociais:

1. Escolha sua rede social preferida (a que se adequa ao seu projeto);

2. Mantenha seu perfil atualizado;

3. Crie um site e nele, integre todas as informações da banda.

O avanço das tecnologias nos permite ter acesso as playlists do mundo inteiro, as redes sociais nos permitem compartilhar divulgando assim nosso artista favorito (ou fazer campanha contra aqueles que a gente odeia). Para Pierre Lévy, isso se chama de cérebro global. “Cérebro global é a internet”, disse Levy em agosto de 2011, quando participou do projeto Oi Futuro, no Rio de Janeiro. Cabe a nós agora, escolher como gerenciar tantos conteúdos e nos adaptar as mudanças que ainda estão por vir.

cérebro

#ParaCegoVer Imagem da capa do livro “Cérebro Global”
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s